Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Projetos de Pesquisa

Ilustração de pasta amarela de arquivo com uma lupa em cima.
Projetos de Pesquisa

Resumo: O objetivo do projeto é avaliar a composição centesimal, mineral e de compostos bioativos de Plantas Alimentícias Não Convencionais encontradas no Vale do Taquari e desenvolver novos produtos a partir delas com a finalidade de fomentar seu consumo e agroindustrialização na região.

Coordenador:  Voltaire Sant'Anna

Equipe: Rosiele Lappe Padilha, Elaine Biondo, Marta Regina dos Santos Nunes, Fernanda Leal Leães

Fomento: UERGS

Resumo: O objetivo do presente projeto é avaliar o potencial de agroindustrialização de pequenas frutas como mirtilo, jabuticaba, amora e outras e a influência do processamento nas suas características de qualidade e nutricionais.

Coordenador: Voltaire Sant'Anna

Equipe: Rosiele Lappe Padilha, Elaine Biondo, Magnolia Martins Erhardt

Fomento: FAPERGS

Resumo: O objetivo do projeto é estudar compostos ou a própria massa sólida de resíduos da indústria de alimentos ou doméstico com potencial de aplicação na cadeia produtiva de alimentos, visando a obtenção de bioconservantes, herbicidas naturais, corantes naturais ou fontes de fibras.

Coordenador: Voltaire Sant’Anna

Equipe: Fernanda Leal Leães, Bruna Klein, Rosiele Lappe

Fomento: CNPq

Resumo: O objetivo do projeto é elaborar e estudar o comportamento de queijos, com adição em sua formulação ou em sua superfície, de plantas, extratos ou alimentos característicos do Rio Grande do Sul, durante a sua maturação. Até o momento, estão sendo analisados queijos produzidos com erva-mate e cervejas artesanais em sua superfície, com a finalidade de averiguar a influência de suas presenças em características de microbiológicas, sensoriais e físico-químicas dos queijos ao longo da maturação.

Coordenador: Rosiele Lappe Padilha

Equipe: Voltaire Sant’Anna

Fomento: Próprio

Resumo: Filmes biodegradáveis, também conhecidos como bioplasticos/biofilmes (quando finos), são filmes preparados a partir de materiais como polissacarídeos, proteínas, lipídios, com a capacidade de agir como barreira a elementos externos, atuando na proteção de alimentos. Estes filmes têm demonstrado propriedades de biodegradabilidade, podendo ser comestíveis, dependendo das substâncias utilizadas nas suas formulações. Além disso, inúmeros estudos têm mostrado que é possível incorporar compostos bioativos como antioxidantes e antimicrobianos na estrutura desses filmes, potencialmente incrementando a vida de prateleira de alimentos embalados ou, ainda, podem ser utilizados como suportes para outros compostos de interesse, como a imobilização de enzimas que podem ser empregados em diversas reações. Inúmeros estudos têm sido realizados visando à utilização de biomassa de banana verde como ingrediente funcional, porém a utilização do amido deste material ainda é pouco estudada, não sendo encontrado na literatura estudos para sua utilização na produção de filmes para aplicação em alimentos. Assim, este projeto visa o desenvolvimento de filmes comestíveis a partir de amido de cará e de banana verde se apresentando como um projeto inovador e de grande potencial de ser utilizado como uma embalagem, gerando novas alternativas às embalagens plásticas utilizadas atualmente na indústria de alimentos.

Coordenador: Marta Regina dos Santos Nunes

Equipe: Voltaire Sant'Anna

Resumo: Em virtude do aumento na procura por produtos diferenciados e livres de agrotóxicos o presente trabalho apresenta um pouco do sistema de produção agrícola sustentável que tem se tornado uma opção econômica e de desenvolvimento regional para pequenos produtores rurais da região do Vale do Taquari, e tem como objetivo diagnosticar, através da pesquisa quantitativa e qualitativa com aplicação de entrevistas semi-estruturadas, a percepção de produtores e consumidores em relação a produção orgânica e agroecológica, manejo da produção, bem como a importância para alimentação saudável e os principais desafios para a certificação orgânica em Colinas e Encantado, no Vale do Taquari. Com base nos resultados espera-se diagnosticar aspectos relevantes para motivar produtores a buscarem a permanência em sistema com práticas de cultivo agroecológico e a certificação de produtos orgânicos para a comercialização diferenciada.

Coordenador: Elaine Biondo

Equipe: Voltaire Sant'Anna, Rosiele Lappe Padilha, Eliane M. Kolchinski, Cândida Zanetti

Resumo: O presente projeto visa caracterizar o potencial de produção e alimentar de plantas alimentícias não convencionais no Vale do Taquari, através da organização de um Horto de Plantas Alimentícias não Convencionais na Unidade da Uergs em Encantado, realização com membros de clubes de mães e CRAS de cursos de preparação de pratos com plantas alimentícias não convencionais, fomentar e valorizar a agrobiodiversidade regional, organizar Festival de Agrobiodiversidade e Panc´s, em parceria com a Unidade de Soledade.

Coordenador: Elaine Biondo

Equipe: Marta Martins Barbosa Prestes, Rosiele Lappe Padilha, Voltaire Sant'Anna, Tatiane Turatti, Cláudia Regina de Oliveira, Cristiane Faccin, Matheus Fleck, Gabriela Dierstman Coelho, Raquel Carvalho Machado Kamphorst, Paulo Roberto Servigniani, Thaís Benincá

Resumo: A flora brasileira esta entre as mais diversas, levando o Brasil ao patamar de país com maior biodiversidade, compreendendo 20% das espécies do mundo. Toda esta agrobiodiversidade que é a base da produção agrícola, pecuária, florestal e estratégica para biotecnologia, inclui uma série de espécies alimentícias, em torno de 10 a 20 % das espécies brasileiras, muitas das quais não utilizadas ou pouco utilizadas no cotidiano do cardápio alimentar. Hortaliças não convencionais são todas as espécies cujas folhas, flores, talos tubérculos são comestíveis, mas incipientemente utilizadas, e sem exploração comercial, mas que influencia o cardápio alimentar de comunidades. Tais espécies, possuem grande importância ecológica e econômica, sendo muitas vezes consideradas invasoras, ou inços, pois podem ocorrer em monoculturas comerciais de espécies aparentadas, gerando competição e perda de produção agrícola. Além disto, muitas destas espécies são nativas, apresentam distribuição limitada e restrita a determinadas localidades ou regiões, influenciando fortemente na cultura alimentar destas comunidades. Constituem-se em elementos da agrobiodiversidade, que valorizam as especificidades das biorregiões e diferentes formas de produção, podendo ser utilizadas na produção orgânica na agricultura familiar, gerando valor agregado na renda do produtor. Com a realização deste trabalho, objetiva-se levantar informações sobre espécies de hortaliças não convencionais nativas e cultivadas de municípios do Vale do Taquari, características morfológicas, bem como divulgação do seu consumo, bem como disseminando sua utilização e cultivo. Como metodologia, realizar-se-á revisão de literatura, coleta a campo, descrição morfológica das e identificação de exemplares das principais hortaliças não convencionais ocorrentes na região com inserção no Herbário Uenc, e aplicação de entrevista semi-estruturada em diferentes propriedades, em cinco municípios, como forma de obter informações sobre a sua utilização na alimentação.

Coordenador: Elaine Biondo

Equipe: Voltaire Sant'Anna, Rosiele Lappe Padilha, Eliane M. Kolchinski, Cândida Zanetti 

Resumo: Apesar da existência de inúmeras espécies autóctones ornamentais no Rio Grande do Sul, é fato o baixo uso destas no paisagismo urbano, com exceção das arbóreas. Isso se deve, sobretudo, a falta de conhecimento acerca da biodiversidade nativa que, como consequência, leva a ausência destas plantas na base da cadeia produtiva. Este trabalho apresenta 30 espécies nativas de ampla distribuição no estado, suas principais características relevantes para o paisagismo e formas de uso, com a finalidade de divulgar as possibilidades de utilização das mesmas na decoração de espaços urbanos.

Coordenador:  Elaine Biondo

Equipe: Rosângela Rolim, Gerhard Ernst Overbeck

UERGS - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul